Orquestra Sinfônica Estatal Russa

“EVGENY SVETLANOV”

Quando: 14 a 17 de novembro


Orquestra Sinfônica Estatal Russa

“EVGENY SVETLANOV”

A Orquestra Sinfônica Estatal Russa (Orquestra Sinfônica Svetlanov), uma das formações sinfônicas mais antigas do país, é a joia da coroa da cultura musical russa. A orquestra se apresentou pela primeira vez há mais de 80 anos, em 5 de outubro de 1936, no Salão Nobre do Conservatório de Moscou, sob direção de A. Gauk e E. Kleiber.

Desde a sua fundação, a orquestra vem sendo dirigida por músicos de destaque como Alexander Gauk (1936-1941), Natan Rakhlin (1941-1945), Konstantin Ivanov (1945-1965) e Evgeny Svetlanov (1965-2000). Sob a liderança de Svetlanov a orquestra se tornou uma das melhores do mundo e seu repertorio foi ampliado, abarcando virtualmente a totalidade da música sinfônica russa, numerosos clássicos do Ocidente, além de obras de compositores contemporâneos. Em 27 de outubro de 2005, o nome de E. F. Svetlanov foi integrado à denominação oficial da Orquestra Orquestra Sinfônica Estatal Russa. De 2000 a 2002 a orquestra foi presidida por Vassily Sinaisky e, de 2002 a 2011, por Mark Gorenstein.

Em 24 de outubro de 2011, Vladimir Jurowski, regente mundialmente conhecido e colaborador de muitas das principais companhias de ópera e orquestras, foi indicado ao cargo de diretor artístico da Orquestra Estatal. Jurowski foi diretor musical do Festival de Ópera Glyndebourne de 2001 a 2013 e, desde 2007, é também regente titular da Orquestra Filarmônica de Londres.

Em suas mais de oito décadas de existência, a orquestra se apresentou em salas de grande prestígio, como o Salão Nobre do Conservatório de Moscou, a Sala de Concertos Tchaikovsky e o Palácio Estatal do Kremlin (Moscou), Carnegie Hall e Avery Fisher Hall (Nova York), Kennedy Center (Washington, DC), Musikverein (Viena), The Royal Albert Hall (Londres), Salle Pleyel (Paris), Teatro Colón (Buenos Aires) e a Suntory Hall (Tóquio). Em 2013, pela primeira vez, a orquestra tocou na Praça Vermelha de Moscou.

Subiram ao pódio da orquestra Hermann Abendroth, Ernest Ansermet, Leo Blech, Andrei Boreiko, Charles Dutoit, Valery Gergiev, Nikolai Golovanov, Arvid Jansons, Michail Jurowski, Otto Klemperer, Kirill Kondrashin, Alexander Lazarev, Lorin Maazel, Nikolai Malko, Ion Marin, Igor Markevitch, Kurt Masur, Evgeny Mravinsky, Charles Munch, Vasily Petrenko, Gintaras Rinkevicius, Mstislav Rostropovich, Gennady Rozhdestvensky, Kurt Sanderling, Leonard Slatkin, Saulius Sondeckis, Igor Stravinsky, Yuri Temirkanov, Alexander Vedernikov e outros grandes nomes da regência.

Dentre os excepcionais solistas que se apresentaram ao lado da orquestra estão as cantoras Irina Arkhipova, Montserrat Caballé e Galina Vishnevskaya, os cantores Plácido Domingo, Dmitry Hvorostovsky e Sergei Lemeshev, os pianistas Valery Afanassiev, Boris Berezovsky, Van Cliburn, Emil Gilels, Samuil Feinberg, Yakov Flier, Konstantin Igumnov, Evgeny Kissin, Marguerite Long, Nikolai Lugansky, Denis Matsuev, Heinrich Neuhaus, Lev Oborin, Nikolai Petrov, Sviatoslav Richter, Grigory Sokolov, Eliso Virsaladze e Maria Yudina; os violinistas O. Kagan, Leonid Kogan, Yehudi Menuhin, David Oistrakh, Vladimir Spivakov, Victor Tretyakov e Maxim Vengerov; o violista Yuri Bashmet; e os violoncelistas Natalia Gutman, Alexander Kniazev, Mstislav Rostropovich e Alexander Rudin. Recentemente essa lista de músicos foi ampliada com os nomes da soprano Anna Netrebko, do pianista Rudolf Buchbinder e do violinista Renaud Capuçon. Grande atenção também é dada à parceria com jovens músicos, como os pianistas Alexander Gavrylyuk, Philipp Kopachevsky, Miroslav Kultyshev e Daniil Trifonov, bem como o violoncelista Narek Hakhnazaryan, para mencionar apenas alguns.

Desde a primeira turnê ao exterior em 1956, a orquestra vem representando a cultura russa com regularidade em países como Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, China, Coreia do Sul, Dinamarca, Estados Unidos, França, Hong Kong, Itália, Japão, Líbano, México, Nova Zelândia, Polônia, República Tcheca, Suíça, Tailândia, Turquia e muitos outros.

A Orquestra Estatal reserva um espaço especial em suas atividades para projetos educativos e sociais.

A discografia da orquestra inclui centenas de registro em vinil e CD lançados por importantes selos russos e internacionais como Melodiya, Bomba-Piter, EMI Classics, BMG, Deutsche Grammophon, Naxos, Chandos, Musikproduktion Dabringhaus und Grimm, entre outros, com destaque para a Antologia da Música Sinfônica Russa, englobando gravações em áudio de compositores russos que vão de Glinka a Stravinsky – um projeto de Svetlanov, ao qual dedicou muitos anos. As redes de TV Mezzo, Rossiya 1 e Kultura, bem como a Rádio Orpheus, também fizeram gravações de numerosos concertos da orquestra.

Ao longo das últimas três temporadas, a Orquestra Estatal participou de diversos festivais, dentre eles o The Arts Plaza (São Petersburgo), a celebração dos 80 anos de Rodion Shchedrin (Moscou), o festival Crescendo (Pskov) e o III Festival Internacional Denis Matsuev (Perm). Apresentou-se ainda no concerto dedicado à celebração do 90o. aniversário da Sociedade Filarmônica de Moscou, bem como em concertos em homenagem a Evgeny Svetlanov e Van Cliburn; realizou as estreias russas da Sinfonia No. 3 de Valentin Silvestrov e da obra Beethoven’s Heiligenstadt Testament de Rodion Shchedrin; na Sala de Concertos Tchaikovsky, a orquestra apresentou um ciclo de concertos educativos intitulado “Vladimir Jurowski Rege e Narra”, que deve se tornar um evento anual. As mais recentes turnês levaram a orquestra a cidades da Rússia, Espanha e Alemanha.

A biografia criativa da Orquestra Estatal é uma sucessão de conquistas mundialmente reconhecidas, que garantiram a ela um justo posto permanente na história da cultura mundial.


Terje Mikkelsen, regente

A regência de Terje Mikkelsen é descrita pela crítica como “extremamente convincente e de uma força impressionante”. Seu domínio sobre som, equilíbrio e texturas é visto como “magistral”.

Mikkelsen estudou na Academia de Música Estatal da Noruega e na Academia Sibelius de Helsinque, onde se graduou em regência orquestral, como pupilo do famoso Jorma Panula. A partir de 1985 estudou e trabalhou em estreita parceria com Mariss Jansons, tanto em Oslo como em São Petersburgo, tendo em seguida embarcado em uma jornada musical regendo orquestras por todo o Leste Europeu, Europa Central, Japão, China e Tailândia.

Dentre as várias posições que Terje Mikkelsen ocupou no mundo da música, estão a de regente titular e diretor musical da Orquestra Sinfônica Estatal da Ucrânia, principal regente convidado da Orquestra Sinfônica Estatal da Lituânia e, consecutivamente, diretor musical e regente titular da Orquestra Sinfônica Estatal da Letônia, diretor musical da Thüringen Philharmonie e professor visitante da Faculdade de Música da Universidade Mahidol em Bangkok.

 

Saiba mais sobre Terje Mikkelsen

Ao longo de sua parceria com a Orquestra Sinfônica Nacional da Letônia (LNSO), Terje Mikkelsen regeu mais de 70 concertos internacionais com a orquestra na Estônia, Lituânia, Suécia, Noruega, Alemanha, Holanda, Espanha, Tailândia e no Japão. Só com a LNSO, gravou mais de 25 CDs e, em 2009, lançou com ela dois CDs de música norueguesa que receberam críticas entusiasmadas no mundo todo. O maestro se apresenta regularmente com a Filarmônica de São Petersburgo e com a Orquestra Sinfônica Tchaikovsky da Rádio de Moscou, com a Orquestra Sinfônica Novaya Rossiya, além de ter sido regente convidado de outras orquestras renomadas. Mikkelsen subiu aos palcos da maioria das grandes salas da Europa, incluindo a Philharmonie de Berlim, Concertgebouw Amsterdam, o Salão Nobre do Conservatório de Moscou, o Salão da Filarmônica de São Petersburgo, Gasteig de Munique, Alte Oper de Frankfurt, Filarmônica de Colônia, Auditório Nacional de Madri e muitas outras salas. Em 2006, foi indicado regente titular da Orquestra Sinfônica de Xangai, cargo que ocupou até 2009.

A partir de 1993, Terje Mikkelsen passou a trabalhar com a Orquestra Sinfônica Tchaikovsky de Moscou, da qual se tornou principal regente convidado em 2008. No mesmo ano a orquestra se apresentou com grande sucesso sob sua regência no Concurso de Piano Rachmaninoff e no Festival de Los Angeles.

O ano de 2010 foi repleto de turnês para Mikkelsen, iniciando pela Espanha, com a Academia de St. Martin in the Fields, depois Noruega com a Orquestra Sinfônica Tchaikovsky e, com a mesma orquestra, uma turnê pelo Reino Unido, somando 15 apresentações para um público entusiasmado, que lotou as salas de concerto.

Sua produção em CD é vasta, chegando perto de 50 registros com orquestras variadas, como a Orquestra Nacional da Letônia, a Orquestra da Rádio de Munique, a Filarmônica Thüringen, a Orquestra Nacional Ucraniana, a Orquestra Nacional Lituana, a Orquestra Sinfônica de Trondheim e a Orquestra da Rádio Norueguesa.

Em 2011, Mikkelsen esteve novamente em turnê pelo Reino Unido, desta vez com a Orquestra Sinfônica Nacional Tcheca. No mesmo ano gravou 2 CDs com a Orquestra da Rádio de Munique. Pouco antes de levar a Orquestra de Munique em turnê para a Espanha, em novembro de 2011, lançaram um CD de música orquestral de Finn Mortensen, que recebeu críticas espetaculares. Em 2012 Mikkelsen lançou o CD Fates Project com Keith Emerson, Marc Bonilla e a Orquestra da Rádio de Munique. Um CD novo em folha com a Academia St. Martin in the Fields foi gravado para lançamento em 2014.

Os destaques da temporada 2014/2015 incluíram a estreia de uma montagem de ópera sino-norueguesa, baseada em peça de Ibsen, na Tianjin Grand Opera House, bem como concertos com a Orquestra Sinfônica da Rádio de Munique, com a Orquestra Sinfônica Estatal da Rússia, com a Orquestra Sinfônica Wroclaw e com a Orquestra Sinfônica Ho Chi Minh.


Philipp Kopachevsky, piano

Solista da Filarmônica Acadêmica Estatal de Moscou e vencedor de concursos internacionais, o jovem pianista Philipp Kopachevsky conquistou enorme admiração do público e reconhecimento aos vinte e cinco anos de idade. Apresenta-se regularmente em recitais na Grã Bretanha, Alemanha, Holanda, França, Itália, Grécia, Polônia, Espanha e nos Estados Unidos, bem como por toda a Rússia, tendo ficado muito conhecido no Japão, onde gravou um CD de Chopin com exclusividade para a TV NHK.

Saiba mais sobre Philipp Kopachevsky

“A interpretação do jovem pianista tem nítida mensagem pessoal. A combinação natural entre domínio e maturidade espiritual com emoção bruta, a liberdade com que o pianista se expressa e sua sinceridade e nobreza românticas conquistam o ouvinte logo nos primeiros acordes…”. “Já nas primeiras notas, percebe-se a individualidade forte e lírica do pianista. Seu piano canta – uma rara qualidade nos dias de hoje, típica de uma visão romântica de mundo. Ele conserva clareza no pianismo com fraseado belo e fluido…”. Eis o tipo de comentários que recebe da crítica especializada.

Nascido em Moscou em 1990, Philipp Kopachevsky graduou-se na Escola Central de Música do Conservatório Estatal Tchaikovsky de Moscou e atualmente é aluno do Professor Sergei Dorensky no Conservatório de Moscou.

O músico é vencedor de oito prestigiosos concursos internacionais, entre eles o 10o. Concurso Internacional Franz Schubert de Piano (Alemanha) e o Concurso Internacional de Piano de Enschede (Holanda).

Kopachevsky tocou ao lado das maiores orquestras do mundo, entre elas a English Chamber Orchestra, a Orquestra Sinfônica Acadêmica da Filarmônica de Moscou, a Orquestra Sinfônica do Teatro da Ópera Kolobov Novaya em Moscou, a Orquestra Sinfônica Tchaikovsky, a Orquestra Nacional Russa, a Orquestra Filarmônica Nacional da Rússia, a Orquestra Sinfônica Acadêmica Estatal de Moscou sob regência de Pavel Kogan, a Orquestra Sinfônica Estatal Novaya Rossiya, a Orquestra Sinfônica Estatal Yevgeny Svetlanov da Rússia e a Orquestra Sinfônica Acadêmica da Filarmônica de São Petersburgo. Tocou sob a batuta de maestros da envergadura de Mstislav Rostropovich, Vladimir Spivakov, Mikhail Pletnev, Yevgeny Kolobov, Yuri Simonov, Alexander Dmitriev, Stanislav Kochanovsky, Daniel Smith, Andrew Gourlay, William Noll, Bjarte Engeset, Charles Olivieri-Munroe, Young Chil Lee, Yevgeny Bushkov, Maxim Vengerov, Jan Latham Koenig, Paul Watkins e outros.

Presente em inúmeros festivais internacionais, como o Festival Andrei Sakharov (Nizhny Novgorod), o Concurso Vera Lotar-Shevchenko (Novosibirsk), o Festival Steinway, o Festival de Piano de Miami, os festivais Mundial de Artes de Naples (EUA), Internacional de Colmar (França), Mstislav Rostropovich (Baku), Estações Bálticas (Kaliningrado), Vladimir Spivakov Invites, Stars on Baikal, Crescendo e Denis Matsuev Invites, entre vários outros, o pianista tocou ainda na estreia mundial do balé “Without”, do coreógrafo Benjamin Millepied, no Teatro Mariinsky.

Philipp Kopachevsky participa do projeto “Estrelas do Século 21”, da Academia da Filarmônica Estatal de Moscou.

*Programa sujeito a alterações

Programa 1

RUSSIAN STATE SYMPHONY ORCHESTRA
“EVGENY SVETLANOV”

14 de ABRIL- Sábado
Matinê para crianças às 17h
– a confirmar
Entrada Gratuita
Local: Auditório Ibirapuera

Programa 2

15 de ABRIL – Domingo
Concerto ao Ar Livre às 11h
– a confirmar
Entrada Gratuita
Local: Auditório Ibirapuera

Programa 3

16 de ABRIL – Segunda-Feira
Concerto às 21h
Local: Sala São Paulo

Programa 4

16 de ABRIL – Segunda-Feira
CLUBE DO OUVINTE (gratuito)
Palestras das 20h às 20h40
Local: Auditório da Sala São Paulo

Programa 5

17 de ABRIL – Terça-Feira
Concerto às 21h
Local: Sala São Paulo

Programa 6

17 de ABRIL – Terça-Feira
CLUBE DO OUVINTE (gratuito)
Palestras das 20h às 20h40
Local: Auditório da Sala São Paulo

Compre aqui seu ingresso online

logo_mozarteum

Telefone: (11) 3815-6377  de segunda a sexta, das 9h às 18h.
Rua Pedroso Alvarenga, 58 – 3º andar – Itaim Bibi – São Paulo/SP

Compre aqui seu ingresso online

Programação 2018