Série #NossosTalentos | Noite das Estrelas
Marcela Rahal, mezzo-soprano

Dias 8 e 9 de outubro, na Sala São Paulo, o Mozarteum encerra sua programação de 2018 com os concertos Noite das Estrelas. Em cena, acompanhados da Orquestra Acadêmica Mozarteum Brasileiro, sob regência de seu maestro titular, Carlos Moreno, estarão 12 jovens solistas brasileiros com carreiras promissoras, que em algum momento foram impulsionadas pelo Mozarteum. Vale a pena conhecê-los: são novos talentos que despontam inclusive na cena internacional, comprovando a potência musical brasileira.

Marcela Rahal, mezzo-soprano

Nascida em Jaciara, cidade do estado de Mato Grosso conhecida pelas belezas naturais, a mezzo-soprano Marcela Rahal revelou sua afinidade com a música já na infância. “É como se nunca tivesse precisado escolher. O amor pelo canto, pela música, nasceu comigo”, diz. Hoje, aos 28 anos e vivendo em São Paulo (SP), onde se formou em canto lírico na USP (Universidade de São Paulo), o talento de Marcela se impõe e seu próximo passo é desenvolver carreira na Europa.

Expectativas do momento:

“Sempre nos aconselham a não ter expectativas. Mas tenho muitas, sobre tudo. No momento espero ser aprovada em um bom curso na Europa, poder me desenvolver e aprender o máximo possível para que eu possa ter experiência, segurança e conhecimento suficientes para expressar tudo o que tenho dentro de meu coração e tudo que sou, através de minha voz. Este é o grande privilégio de ser uma musicista: transformar minha voz em um instrumento que toca a vida das pessoas, capaz de emocionar, acrescentar, que ajude o próximo de alguma maneira, tornando a vida mais bela, mesmo que seja durante alguns segundos. Esta troca vale a pena!”

Do rock and roll ao canto lírico:

“Dos 14 aos 18 anos eu cantei muito rock ‘n’ roll e heavy metal, fiz aulas de guitarra e violão e, tocando e cantando, cheguei a participar de concursos e festivais. Porém, ao ingressar na faculdade de licenciatura em música, aos 17 anos, meus pensamentos e objetivos se voltaram novamente para a grande paixão de minha vida: o canto lírico. Agora, meu objetivo é ir para a Europa para poder estudar e atuar como cantora lírica em concertos e óperas.”

Como tudo começou:

“O canto sempre esteve comigo. Antes mesmo de conseguir completar palavras inteiras, meus pais contam que eu cantarolava as músicas dos desenhos animados que passavam na TV ou do que escutava, de alguma forma. Tenho uma tia que cantou em um coro e às vezes eu a escutava cantar e tentava imitá-la. Todos de minha família sempre me incentivaram desde muito pequena. Assim que tive um pouco mais de consciência, sempre que me perguntavam o que queria ser quando crescer, eu dizia: cantora! É como se realmente eu nunca tivesse precisado escolher. O amor pelo canto, pela música, nasceu comigo. Tive o grande privilégio de contar com o apoio incondicional de meus pais, que sempre fizeram tudo para que eu pudesse seguir meus sonhos. Eu realmente me emociono toda vez que penso no quanto eles já fizeram e ainda fazem por mim. Tudo que sou é graças a eles, mesmo uma vida toda não poderia retribuir todo amor e apoio que meus pais e minha irmã me dão.

Um grande momento:

“Existem muitos momentos que estão marcados com muito carinho em minha memória, mas um deles é muito especial: a primeira vez que me apresentei como solista da Nona Sinfonia de Beethoven, na Sala São Paulo, em 2015. Sempre tive paixão pela Sala São Paulo e estar lá, pela primeira vez, como solista, foi a realização de um sonho. Foi muito emocionante, meus pais puderam me assistir, me senti extremamente honrada e dediquei o concerto a eles. Além de tudo, tive a oportunidade de me apresentar ao lado de meu querido mestre, o fantástico barítono Francisco Campos. Tudo naquele momento foi incrível e inesquecível.”

Noite das Estrelas:

“Os espetáculos Noite das Estrelas são mais um sonho que se realiza. Saber que iria cantar nestes concertos foi um momento de muita emoção para mim. Ser reconhecida desta forma pelo Mozarteum é um enorme presente. Iniciativas como esta são de suma importância para os jovens brasileiros, que muitas vezes só precisam de uma oportunidade, alguém que dê uma chance ou até uma segunda chance. Também são de extrema importância para que o público possa conhecer esses jovens, apoiá-los e incentivá-los. Estou muito ansiosa por estas apresentações, serão noites inesquecíveis e mágicas. É uma oportunidade que significa muito para nós e isto gera uma energia tão mágica de felicidade que contagia a todos!”

Canto em Trancoso:

“Participei de duas edições da academia Canto em Trancoso – em 2015 e 2016. Foram experiências muito importantes para mim, principalmente porque pude perceber melhor meus sonhos e viver uma rotina de aprendizado intensa, que me marcou profundamente. Acho que o convívio diário com os colegas e professores, assim como os ensaios e tudo o que envolve este programa de masterclasses, faz com que a gente evolua, como artista e ser humano. Canto em Trancoso é uma iniciativa extremamente importante para os estudantes brasileiros porque proporciona a possibilidade de aulas com professores incríveis, além do trabalho com o grande maestro Rolf Beck, que tem uma vida de experiências para nos transmitir e tanto a nos ensinar. A maioria de nós não teria condições de fazer um curso com esses profissionais se não fosse através da iniciativa do Mozarteum.”

Experiência com o Mozarteum:

“O Mozarteum representou meu primeiro contato com a possibilidade de estudar fora do Brasil. Poder participar do Canto em Trancoso e ter a chance de talvez ser escolhida para ir à Alemanha cantar foi algo muito excitante e realmente um divisor de águas. A partir disso comecei a considerar a possibilidade de ir para a Europa, perseguir meus sonhos, a achar que esses sonhos poderiam se realizar. Depois de Canto em Trancoso, meus objetivos se tornaram maiores e meus sonhos encontraram lugar para crescer e florescer.”

Voltar para Cultura Musical