AUSTRO-HUNGARIAN HAYDN PHILHARMONIC

Alexander Lonquich - regência e piano

Quando: 12 e 13 de maio
Horário: 21h
Local: Sala São Paulo (São Paulo, SP)
Praça Júlio Prestes, 16

Programa:

Dia: 12 de maio de 2015

Wolfgang Amadeus Mozart – Concerto para piano nº 19 em fá maior K 459
Franz Joseph Haydn – Sinfonia nº 92, em sol maior “Oxford”
Wolfgang Amadeus Mozart – Concerto para piano nº 25, em do maior, KV 503

Dia: 13 de maio de 2015

Franz Schubert  – Sinfonia nº 5, em si maior, D 485
Wolfgang Amadeus Mozart  – Concerto para piano nº 25, em do maior, KV 503
Franz Joseph Haydn  –  Sinfonia nº 92, em sol maior “Oxford”


Uma orquestra exponencial que reflete o brilho de Haydn

A Filarmônica Austro-Húngara Haydn foi fundada em 1987 por membros da Filarmônica de Viena e das conceituadas orquestras húngaras, por iniciativa do regente Adam Fischer. A intenção de Fischer – antes da queda da “Cortina de Ferro” – era reunir os melhores músicos dos dois países e vencer a fronteira por meio da música, tocando obras de Joseph Haydn (1732-1809).

O espaço óbvio e base da orquestra é a Sala Haydn, no Palácio Esterházy, na Áustria, local onde Haydn compôs muitas de suas obras e que permanecia virtualmente inalterado desde o tempo em que o compositor ali vivera.

Em geral a Filarmônica Haydn é composta por 45 músicos, pouco mais do que o número que Haydn tinha à disposição no auge de seu período como diretor musical da corte em Esterházy. As obras de Haydn e as de seus contemporâneos dominam o repertório, embora peças românticas e modernas também sejam executadas.

Os concertos da Filarmônica Haydn regidos por Adam Fischer são, a exemplo das óperas de Haydn, eventos de caráter obrigatório no programa do Festival Internacional Haydn em Eisenstadt. Ao mesmo tempo, a orquestra se consagrou graças a numerosas turnês e apresentações nos principais teatros e festivais do mundo. No “Ano Haydn 2009” a Filarmônica celebrou o 200º aniversário da morte de Joseph Haydn com a execução de A Criação no Palácio Esterházy, transmitida ao vivo por várias TVs internacionais.

Entre 1987 e 2001 a orquestra gravou todas as sinfonias de Haydn para a gravadora Nimbus, sendo que as gravações das Sinfonias 40 e 54 foram eleitas as “melhores do ano” pela revista inglesa de música Gramophone.

Desde 2004 Adam Fischer e a Filarmônica Haydn vêm regravando as Sinfonias Londres de Haydn para o selo Dabringhaus & Grimm, com qualidade sonora surround. A primeira gravação da série recebeu o ilustre prêmio Echo Klassik em 2006 e a segunda gravação, o Echo Klassik de 2008.

Alexander Lonquich, além de regente, é dos raros pianistas capazes de ficar à vontade  como solista, músico de câmara em recitais e em gravações. Nascido na Alemanha, Lonquich estudou com alguns dos mais renomados mestres de piano da Europa, incluindo Paul Badura-Skoda, Andrzej Jasínski e Ilonka Deckers-Küszler. Na Itália, em 1977, foi vencedor do Concurso de Piano Alessandro Casagrande.

Assim, aos 16 anos, iniciou sua carreira internacional, tornando-se solista de diversas grandes orquestras europeias. Desde então, mantém intensa atividade, não só como artista, mas também como educador, em masterclasses que realiza por toda a Europa. Fora do continente europeu, atua frequentemente na América do Norte, Ásia e Austrália.

Seu repertório vai do período clássico ao moderno. Ganhou grande reconhecimento por seus solos das obras de Mozart e Schubert, bem como, em 2004, pelo álbum Plainte Calme, com obras de Ravel, Fauré e Messiaen.

Sempre expandindo sua atuação e sua carreira, no final da década de 2000 ele enveredou pelo caminho da regência. Com frequência, Lonquich pode ser visto em ambos os papeis – de solista e regente.

Programação 2015